Android: cai para 98% aplicativos que solicitam dados pessoais

Internet

O Google vem reprimindo aplicativos Android que abusam das permissões, e isso parece ter surtido efeito na Play Store. Em um artigo mais detalhado, a gigante explica que o combate aos “apps ruins” fez cair até 98% o número de aplicativos da Play Store, os que acessam o registro de chamadas e os dados SMS no ano de 2019.

Uma política implementada em outubro de 2018 contra o acesso desnecessário teve o efeito pretendido pelo Google. Os 2% restantes são aplicativos que realmente exigem os dados de texto e chamadas para executar suas tarefas principais, de acordo com a companhia.

A gigante da buscas também apontou para “mecanismos de verificação aprimorados”, os quais impediram a chegada de 790 mil aplicativos violadores de políticas de privacidade a Play Store, e uma medida implementada em maio de 2019 que pedia aos desenvolvedores que comprovassem se os apps eram ou não direcionados para crianças.

Quanto às ameaças, o Google Play Protect afirmou que bloqueou mais de 1,9 bilhão de instâncias de malwares que não eram de sua loja de aplicativos. Diariamente, a ferramenta verifica mais de 100 bilhões de apps, fornecendo aos usuários informações sobre possíveis problemas de segurança e ações que eles podem executar para manter seus dispositivos seguros.

Apesar do número de ameaças bloqueadas ser alto, esse foi um dos problemas permanentes no ano de 2019 para o Android, incluindo códigos maliciosos fornecidos por aplicativos comprometidos da Play Store.

Pode ser difícil interromper completamente o abuso de permissões dos aplicativos, mesmo com o Android 10 fornecendo mais controle que as versões anteriores do sistema operacional. Ainda assim, isso sugere que os desenvolvedores estão melhorando no que diz respeito à privacidade dos usuários, reduzindo também a quantidade de dados que coletam.

 

Fonte: Olhar Digital