Provedores encaram ‘morte súbita’ na saída do Simples

Notícias Interjato, Tecnologia

Os pequenos provedores representam mais de um em cada dez acessos a internet no país e, ainda mais significativo que o ganho de mercado é o ritmo. Em 2016, a banda larga fixa foi o único serviço a crescer, com 1,1 milhão de novos assinantes. No geral, uma alta de 4,3%. Mas para os pequenos, que responderam por 4 de cada 10 novos acessos, o crescimento foi de 31,5%.

Mas o ganho de musculatura desse segmento, que em três anos passou de 7% para 10% do mercado, também representa um desafio. Como concluiu um estudo encomendado pela Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), esses provedores começam a romper a linha do que é considerado ‘pequeno’ pelo Fisco. E a saída do Simples está se mostrando uma barreira difícil demais.

“Somos o único setor que tem aumento significativo. A carga máxima de ICMS dentro do Simples é 3,95%. Mas quando põe o pé fora do Simples é no mínimo 25%. Outros setores tem transições suaves. Para nós é a morte súbita”, diz o presidente da Abrint, Erich Rodrigues. Segundo a entidade, esse salto tributário reduz o lucro de 20% para 7,5%, ou praticamente a inflação de 2016, de 6,3%. Preocupação significativa para dois em cada três dos pequenos provedores enquadrados no Simples até o fim de 2016.

A tumultuada revisão do Simples, no ano passado, não ajudou muito. É certo que o limite de faturamento anual passou de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões, mas o ICMS ganhou um escalonamento próprio com limite diferente. Pode parecer muito, mas na prática, significa que provedores superam a linha até mesmo antes de chegarem a ter 5 mil clientes. Vale lembrar que, para a Anatel, pequeno provedor tem até 50 mil assinantes.

O próprio segmento admite que as empresas, quando conseguem, tentam evitar o salto abrindo novas pessoas jurídicas. Segundo o consultor e pesquisador do IBPT, responsável pelo estudo sobre os provedores, está aí parte da explicação para a alta de 40% no número dessas empresas entre 2014 e 2016 – de 6,4 mil para mais de 9 mil, considerando-se o segmento que atua em Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) e Serviço de Valor Adicionado (SVA).

“É complicado um sistema tributário no qual as empresas não podem crescer. Mas a infeliz verdade é que o Simples foi criado para as empresas não crescerem. Imagine uma empresa que está faturando R$ 3,6 milhões e tem perspectiva de faturar mais, uns R$ 4,5 milhões. Tem que criar uma nova empresa, porque se crescer a mesma, se ela sair da zona tributária do Simples, o lucro vai cair”, diz Oliveira.

O fenômeno é fruto direto da aposta de pequenos provedores na construção de infraestrutura própria, passando eles mesmos a prestar serviços de telecomunicações antes comprados das grandes operadoras. “Antes não tínhamos redes de ultima milha, dependíamos das operadoras. E agora construímos e passamos do rádio para a fibra, então passamos a ter um componente de custo que paga ICMS e que aumentou”, diz Rodrigues, da Abrint.

Mais do que dores do crescimento, porém, o setor reclama de que a tributação inviabiliza que esse desempenho continue. “A questão não é simplesmente de aumento da carga, mas sim porque na prática, a partir de certo nível, a empresa não vive mais. Os provedores estão crescendo, querem sair do Simples, mas não conseguem”, resume o presidente do conselho consultivo da associação, Basilio Perez.

Fonte: Convergência Digital